Crise Coronavírus: número de ataques cibernéticos cresce 30%

Crise Coronavírus: número de ataques cibernéticos cresce 30% - Limifield

Crise Coronavírus: número de ataques cibernéticos cresce 30%

O número de ataques cibernéticos cresce 30% e o G DATA CyberDefense evitou quase 1/3 a mais de ataques em março do que em fevereiro de 2020.

Os cibercriminosos estão a aproveitar-se da incerteza generalizada em torno da crise do Corona e a tentar obter lucros com isso. Por exemplo, como mostra uma análise atual de ameaças do G DATA CyberDefense, o número de ataques impedidos aumentou significativamente em março de 2020, um aumento de cerca de 30% em relação a fevereiro.

 

Os cibercriminosos são rápidos em perceber qualquer oportunidade de explorar a insegurança das pessoas. Eles estão a utilizar vetores de ataque conhecidos e muito eficazes para fazer isso, implantando ransomware e criptografando dados para exigir dinheiro do resgate. Os usuários devem ter extremo cuidado se encontrarem um e-mail em sua caixa de correio a prometer novos rastreadores de coronavírus ou máscaras protetoras baratas, por exemplo.

Tim Berghoff

Evangelista de Segurança na G DATA CyberDefense

 

A análise de ameaças do G DATA CyberDefense mostra que o número de ataques prevenidos aumentou cerca de 30% em março de 2020 em comparação com o mês anterior. Esse aumento também se deve ao fato de as pessoas passarem mais tempo em casa e ficarem on-line com mais frequência para verificar as últimas notícias ou solicitar produtos em lojas on-line. Os computadores particulares geralmente são menos bem protegidos do que os computadores em redes corporativas.

As empresas continuam a ser um alvo atraente para os criminosos, mesmo durante a atual pandemia. Como muitas empresas estão atualmente a enfrentar dificuldades económicas, o risco de sofrer enormes danos financeiros no caso de um ataque de ransomware aumenta significativamente. Afinal, é justamente agora que as demandas de resgate têm o potencial de levar uma empresa à ruína. Além disso, a mudança para o escritório em casa aumentou a complexidade das redes em muitas empresas. Mas a segurança não acompanhou o ritmo, especialmente se o servidor do terminal ou o sharepoint estiver disponível gratuitamente na Internet para garantir a continuidade dos negócios.

Os departamentos de TI corporativos menores, em particular, estão atualmente sob enorme pressão para rever a sua infraestrutura para o que provavelmente será uma situação de escritório doméstico de longo prazo. Isso afasta os recursos do monitoramento e manutenção de importância da infraestrutura de segurança. Na situação atual, os ataques cibernéticos podem ser detetados até mais tarde do que normalmente são. Experiências anteriores mostraram que normalmente levava mais de 180 dias para que um invasor fosse detetado na rede.

 

“Quem trabalha em casa deve sempre lembrar que o computador do trabalho está conectado à rede da empresa”, alerta Berghoff. A situação é ainda mais crítica se os usuários usarem o seu computador particular para trabalhar na rede da empresa. Como os computadores particulares não podem simplesmente ser protegidos centralmente, o risco de ataque aumenta. “No escritório em casa, as mesmas regras aplicam-se ao trabalho no escritório: não se conecte mídia removível desconhecida, não clique em links suspeitos, bloqueie os computadores ao deixá-los e tenha cuidado ao abrir anexos de correio. Afinal, os e-mails de phishing também chegam à sua caixa de correio em casa. E, é claro, uma solução de segurança atualizada deve ser instalada em todos os computadores”, continua Berghoff.

 

Conheça toda a nossa gama de produtos G-DATA aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *